quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Em Kusadas conhecemos Malka e a hospitalidade turca.










































Deixamos Éfeso meio com o coração partido, afinal, visitar uma casinha onde viveu aquela que chamo todo dia pra agradecer ou pedir alguma coisa, que tô sempre incomodando, que não dou paz, não é tão simples assim. Mesma coisa que ir embora daquela casa de avó que só nos faz bem.

Mas saí, tendo a certeza de que voltaria um dia pra uma nova visita.

Fomos pra Kusadas, um amor de cidade também, pequena, com uma baía linda cheia de barcos, embarcações de vários tamanhos e uma marina.

E começamos a procurar um hotel. Andamos, procuramos, já estávamos quase desistindo, quando um rapaz de uma agência de viagens nos disse que conhecia uma senhora que costumava alugar quartos na casa dela.

Naquela altura do campeonato, era dormir na praia ou tentar.

Como diz o grande Wilson das Neves: "ô sorte!!!". Loteria é pouco pro que nos esperava.

Fomos apresentados a D. Malka, uma turca super hiper simpática, que morava sozinha em um apartamento no terceiro andar. No térreo, tinha uma espécie de mercearia/mercadinho/padaria. Um kit completo pra qualquer coisa que a gente precisasse. De cerveja a pão.

Fomos recebidos como chefes de estado. Ela nos cedeu seu quarto pra mim e minha amiga. Meus dois amigos dormiram no quarto dos netos, que acho que moravam nos EUA (não me lembro muito bem) e ela dormiu num quartinho menorzinho.

E foi um paraiso! Café da manhã tomado na varandinha, que tinha uma peculiaridade que vocês não acreditam : amarrada à uma corda, tinha uma cesta de vime, quando ela precisava de qualquer coisa, só mandava por escrito pela cesta, descia a danadinha até a porta do supermercadinho e depois puxava a corda. Um barato!

Os meninos pediam cerveja só pra subir e descer a corda, quiném criança com brinquedo novo.

E Malka falava como uma boa pessoa que mora sozinha - tirando a barriga da miséria - em turco, problema nosso se não tivesse entendendo. Soltava às vezes alguma coisa em inglês, que foi o suficiente pra gente saber absolutamente tudo sobre a vida dela. Quantos filhos, netos, viúva, idade e mais um monte de histórias. Pegou um álbum de fotos e fomos conhecemos a familia toda e amigos e cachorros e gato e o cacete a quatro. Se a gente não desse uma despistada e fosse saindo meio de fininho - deixando ela ir acompanhando até à porta e continuando a falar e descendo a escada e ela contando causus - não teríamos conhecido nada da cidade e estaríamos tomando chá na sala até hoje e vendo fotos e já teríamos aprendido turco, provavelmente, ou ela português, o que é mais certo.

Aí andamos, passeamos pela cidade, entramos em um restaurante no começo da noite e fomos recebidos com Maria Bethania cantando, a plenos pulmões, naquele finzim de mundo, na costa da Turquia. Um sonho!

Subimos no monte onde tem um forte muito antigo e andamos pelas ruelas. Cidade de bonecas, como eu gosto de definir aquele lugar gostoso, aconchegante, bom pra passear.

E no final da tarde, a gente se sentava na varandinha de Malka pra ver o pôr-do-sol no mar, com a silhueta das velas dos barcos, tomando uma cerveja e comendo azeitonas pretas da região, regadas no azeite e misturadas com queijo de cabra.

Êta vida dura, meu Deus!!!
Deu vontade de ir? De conhecer? De viver essa delícia?
Então vá ! Programe-se e caia fora.

Nenhum comentário:

VEJA TAMBÉM

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...