quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Pensando sobre a minha vida e a de todos nós


Até um certo tempo da vida, eu acho que é o tempo do armazenamento. Algumas doações serão feitas. Finalmente chega o tempo de espalhar o fruto e oferecer, pros amigos e pro mundo, o melhor do fruto que foi, por tantos anos, cuidado, regado e amadurecido com calma, pra agora ser saboreado em sua plenitude de gosto.

Acham que pirei o cabeção, né? Ainda não. Às vezes me vem a cabeça uma frase pensante como essa.


A gente passa a vida aprendendo, desaprendendo, escolhendo o que nos faz feliz, correndo do que não nos faz, escolhendo o que há de mais gostoso pra comer, os melhores livros pra ler, reler e reler, cuidando de nossa saúde, os melhores filmes pra ver e rever, conhecendo lugares, admirando lugares, pessoas, gestos, falas, formas de relacionamento, comportamento em público, olhares, conhecendo olhares, lendo olhares, falando com os olhos, aprende a rir e chorar com eles, conservando amigos, escutando amigos e nos desfazendo daqueles que pensávamos ser, admirando gestos de bondade, de compartilhar, julgando, nos arrependendo de haver julgado, tendo remorsos, nos arrependendo de atos não feitos, prazer pelos atos feitos, a tempo e a hora, que fizeram amigos felizes, pessoas contentes... e poderia passar horas dizendo coisas que nos acontecem e que virão fazer parte desse ser humano que, um dia, se vê quase satisfeito com o aproveitamento obtido ao longo dos anos de vida.

Por que estou dizendo tudo isso? Sei não. Me deu vontade. Talvez porque esteja em um momento da minha vida que estou me sentindo útil, em condições de poder dar aquilo que foi o começo dessa lorota toda; doando um bom pedaço do fruto que pude obter até agora.

E descobrir, também, que o fruto que germinou de todo esse experimento, tem uma duração infinita. É um fruto que cada dono pode distribuir da forma que lhe convier e na quantidade que for necessária e ele jamais terminará.

Um fruto do tamanho da necessidade das pessoas que amamos. Elas poderão comer e se lambuzar à vontade, mesmo depois que eu me for.

Espero.

22 comentários:

Regina Rozenbaum disse...

Iêda Amada
São 7 da matina por aqui...e depois de uma noite insone (vc saberá o porquê, é só me visitar)com o coração pertadim leio essa "poetisa" da vida! TUDODEBÃO!!!
Me fez lembrar mais ainda: "filha, o fruto nunca cai longe da árvore" ela dizia.
Beijuuss encalorados rsrsrs n.c.
Regina
www.toforatodentro.blogspot.com

Ieda Dias disse...

Ai amiga!!! Que bom q você gostou e entendeu q doideira...bjos e quero sqber o que couve> Tem do fruto sobrando aqui. Posso ajudar.
bjins

Clara Lopez disse...

NOssa, que coisa linda, alta e profunda filosofia, além de falar numa linguagem tão próxima a cada um de nós. Beleza pura, merci!
uma abraço,
clara lopez

Kátia Flávia disse...

Que beleza, Tia Ieda! Me emociona saber da fonte inesgotável de todos nós, que não lembramos, mas vc nos faz enxergar. Vc é um dos melhores frutos que temos o privilégio de saborear. Beijos e saudades...

Ieda Dias disse...

Brigadim meu bem. Cheguei a achar que tava confuso demais o texto, mas q bom q vc gostou e que entendeu o que quis dizer. Bjins e obrigada mais uma vez.E aproveite do fruto que estamos na alta estaçao.......hheeeeeeee....docim, docim

Ieda Dias disse...

Brigadim meu bem. Cheguei a achar que tava confuso demais o texto, mas q bom q vc gostou e que entendeu o que quis dizer. Bjins e obrigada mais uma vez.E aproveite do fruto que estamos na alta estaçao.......hheeeeeeee....docim, docim

foureaux disse...

Amiga,
A gente não se viu quando aí estive. Coisas de viajantes... Faz um tempinho que não escrevo nada no meu blog e que não visito o(s) blog(s) alheio(s). Mas hoje, depois de ler essas linhas fiquei comovido e não resisti. Volto à ativa. Já escrevi algumas coisas sobre o meu retorno à "terra das gravatas" e minhas andanças de poucos dias pelas terras de Mozart e Beethoven e Schubert e Sissi e... e... e... fantasias.
Você disse TUDO e mais alguma coisa, comme il faut! Bravo!!!
Saudades e beijinho

Ieda Dias disse...

Parece mentira né Juníssimo...mas nós temos uma vida toda pela frente. Obrigada pelo elogio e vou lá ver o q vc escreveu.
bjins

Sandra Dias disse...

Ieda,
Muita filosofia para um dia só. Mas como disse o filósofo: penso, logo existo. Continue firme repartindo o seu conhecimento. Para lembrar de coisas leves o "tá bom" era o glorioso espelho do seu salão. Vc. também tem que contar o seu causo da continência nua, para um oficial do exército iraquiano.
Beijos
Sandra Dias

Ieda Dias disse...

Oi amiga, se tivesse aí te ligava agora, porque não me lembro. Mais um caso meu pelada, ainda bem q vc tá dizendo pq o povo pensa que invento. Vc tem MSN? Se tiver me mande pra gente conversar. Ou skype.
bjins com saudades

Bernardo M disse...

E Dessa fruta, eu chupo até o caroço!

Parabéns.
Bjo.

Ieda Dias disse...

hhheeeeee...bjos meu bem...ela foi cultivada para tal...aproveite.
bjins

Cyrano disse...

Caríssima, bom dia.
Estava eu uma bela noite a zapear os comentaristas do Reinaldo Azevedo quando me deparei com o endereço do seu Blog e arrisquei uma espiadela.
É UM ESPETÁCULO.
Me explico: na qualidade de aposentado e não de deputado, não me sobra a necessária grana para as viagens que sempre sonhei.
Você, de cima de sua imensa coragem dirá: mochila nas costas e pé na estrada.
É um ótimo conselho, mas não tenho essa coragem e disponibilidade.
Assuntos familiares de Filhas, Neta, Mãe idosa, etc, etc, me tomam o tempo, diferentemente de você que é independente.
MAS ISSO NÃO É QUEIXA OU DESCULPA ESFARRAPADA e sim uma opção de vida que não renego em absoluto, muito embora me permita sonhar com outras terras.
As viagens que você fez, faz e fará representam tudo de bom.
Ir numa excursão pode ser uma boa, mas você não conhecerá o real modo de vida das pessoas do lugar visitado.
Seus posts são adoráveis, simples e diretos, explicitando tudo nos detalhes e se colocando à disposição para prestar mais informações.
Então, escrevi tudo isso para dizer que entendi o significado deste seu artigo, do fruto disponibilizado, mas existe muito mais.
Estão lá suas experiências, seus causos, sua sinceridade, seu modo simples e maravilhoso de ser.
Mas a oferta principal que vejo nesse fruto é a seguinte:
"você, que não pode viajar como eu, se farte com minhas andanças, aproveite e sonhe".
Obrigado por existir.

Ieda Dias disse...

Estou cá eu, em uma roça num cantinho da França, acabando de me levantar,abrindo a janela e me deparando com uma imensidão branca de neve, e uma temperatura que beira a -6, dia maravilhoso, daqueles que você diz: Deus existe mesmo, esse danadim!
E me deparo com um texto desta envergadura.(até falei difícil)
Que alegria e que prazer Cyrano, que não é de Bergerac, mas um grande escritor. Tive uma idéia. Faça um blog. Você deve ter muita historia boa pra contar e escreve bem pra caralho. Por falar em caralho, faça como meu irmão, que também por motivos diferentes dos seus não pode viajar muito, que diz que"goza com meu pau". Desculpe o vocabulário, mas este é o meu verdadeiro, que não posso escrachar nos post, senão assusto a freguesia. Não some não. Continue grudado.
bjins

Cyrano disse...

Caríssima, boa tarde.
Que bom que tenha gostado, vez que não escrevi nada que não fosse a verdade.
Se você "fuçar" nos seus posts, qualquer um deles, lerá as preciosas dicas de viagem. Por exemplo aquela de Amsterdam, cujos ônibus não abrem a porta automaticamente, dependendo do próprio passageiro para entrar.
Isso é só um exemplo, mas de muita utilidade para quem vai viajar para essas bandas.
Agradeço a idéia de criar um blog e até já havia pensado nisso. Acontece que esse meu lado escritor só aparece quando provocado por algo ou alguém, como é este caso. Se deixar por mim mesmo, logo seca a inspiração.
Quanto à linguagem, fique à vontade, o blog é seu(como diz o Reinaldo Azevedo) e cada um é livre para ler ou não.
E é claro, ficarei grudado.
Bjs.

Kátia Flávia disse...

Gostei desse Cyrano.Ele falou o que pensamos, de forma muito bacana. Faça o blog. Dou o maior apoio.

Ieda Dias disse...

Eu tb Donakatia...e tb dou mórrapoio pro blog. Brigadim pela concordância com ele.
bjins

Ieda Dias disse...

Cyrano corre lá pra começar seu blog que ja tô duidinha pra perseguir. E se precisar de ajuda pócontá comigo, pq tô craque (quase) nisso aqui.
bjins

Cyrano disse...

Queridas, muito obrigado pelo apoio, mas ainda não é o tempo certo.
Sou um simples "fuçador" da Internet e quando encontro alguma coisa especial (para o bem ou para o mal), dou meus pitacos.
Por agora estou vasculhando seu blog, com as maravilhosas histórias e causos.
Os acontecimentos com a Polonesa são incríveis.
Também já estive com minha esposa nas terras de Dona Beija e de tudo
que vimos, a comida que por lá preparam é, como você diz, "de comer ajoelhado".
Tem um tal de Mexido, feito num pequeno restaurante no Centro, de cujo nome não recordo, que vai nos fazer retornar a Araxá.
E os sorvetes de frutos do cerrado?
Só vendo para crer, sendo que já tem aqui em Sampa uma sorveteria que os revende.
Fico por aqui, agradecendo a força, mas os méritos são todos seus.
Bjs.

Ieda Dias disse...

Aqui em Belzonte Cyrano, a gente é duidim com um mexidão. É a famosa comidinha que não daria pra dois, mas quando junta tudo mais uns ovim frito, vira banquete pra quatro...rs.
bjins

Cyrano disse...

É exatamente isto e com muito queijo.
Uma delícia.
Uma dúvida: se eu quiser indagar algo sobre um outro post, que fala de outro lugar, já publicado há tempos, devo fazê-lo nos coments do referido ou posso "preguntar" por aqui?
Bjs.

Ieda Dias disse...

Você pode fazer como quiser, que assim que sua mensagem chega pra mim, essa máquina de fazer doido me avisa.
bjins

VEJA TAMBÉM

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...