quinta-feira, 27 de maio de 2010

Causinhos rápidos que ouvi e anotei.

- O japonês queria colocar o nome da filha de Míriam. Falava, falava e repetia : "É Miliam! É Miliam!" E o escrivão mandava repetir. "É Mília ??" Não entendia o quê o japa dizia. Desistiu ! A menina virou E-mília.

Eu, dentro de uma Topik em Salvador. O telefone do cara ao lado toca e escuto o seguinte diálogo:
- Alô!
- ............
- Tá jogada onde, nêga?
- ............
- Itapuã, tá em Itapuã, é?
Adorei ! E hoje vivo dizendo isso quando atendo o telefone. "Tá jogado onde?"

- Minha amiga e eu, costurando e ouvindo rádio, na França. Rimos muito, porque nenhuma das duas sabia que a outra tava prestando atenção às conversas dos locutores.Eles contavam sobre uma nova anestesia, que fazia com que o paciente pudesse participar da cirurgia. Mais ou menos assim: o anestesista ia aplicando a anestesia, como um conta gotas, e o paciente informando, com movimento dos braços, o que acontecia. Ex.: levanta o braço = ok. Dobra o braço = mais ou menos. Braço esquerdo dói. Braço direito, sei lá o quê. E de repente, ele diz. E se o paciente não movimentar o braço... e, antes que terminasse a frase, nós duas falamos juntinhas.: "É porque ele morreu".

E morremos de rir....


- Essa eu presenciei no supermercado, aqui do lado de casa. Tô eu escolhendo umas frutas e escuto o seguinte triálogo:

- Eu quase não saio, aqui em BH. Não tenho amigos. Sou do interior (vozinha melosa)

- Mas, por que não sai? (interesse imediato)

- Não conheco ninguém. Na minha terra eu adoro sair na balada...( insinuando)

- Mas, você não tinha amigos ? Agora já tem um.

- Um não, dois! (diz o outro cara)

Nessa hora, me virei pra ver a cara da turma : uma garota falando com dois funcionários do supermercado. (Eles, já salivando)

-Será que essa laranja tá boa?

- Pode levar por minha conta. Tá ótima ! Mas, me diga (não querendo fugir do assunto) você gosta de fazer o quê ?

- Olha! Se ela não tiver docinha, eu volto aqui e pego você. ( voz melosa de novo)

- Somos amigos, pode confiar na gente... (olhinhos brilhando)

A moça deu bye e saiu.

Como não consigo ficar calada, virei pros dois, que ainda estavam de olho na bunda da garota, agora na fila do caixa, e disse: "Vocês não ficam nem vermelhos? Não tem vergonha na cara?" Isso, rindo junto com eles.

- Amigo, amigo.... (falou um deles com aquela cara safada!)


Ontem, dentro de um elevador, ouvi essa.O ascensorista já tava fechando a porta quando vem um cara correndo. O ascensorista diz: "Tá lotado" e o cara diz na lata: "Vou em pé mesmo!"

8 comentários:

Rejane disse...

Ótimos!
Pra mim causu num tem tamanho, pode ser p, m, g ou gg, todos são bons.
Bj
Rejane

Ieda Dias disse...

Tem coisa melhor do que prosear e rir, Rejane? Só pão com ovo...hhheeee
bjins

José Luiz Foureaux de Souza Júnior disse...

Quá
Quá
Quá
Quá
!!!!!!!
;-)

Susi disse...

hi hi hi., gostei!
Sabe que meu irmao tinha o costume de atender o telefone dizendo assim: Clinica de aborto feto feliz bom dia!
E eu achando engraçado demais começei a fazer o mesmo quando tinha quase certeza de ser alguém conhecido no fone.,cai do cavalo algumas vezes mas ria muito.

Ieda Dias disse...

Susi, e nem sempre o povo presta atenção...aí fica mais engraçado ainda. Some não...
bjins

Ieda Dias disse...

Juníssimo, escutei sua risada daqui. Póvoltá....passou da hora.
bjins

José Luiz Foureaux de Souza Júnior disse...

A hora tá chegando, cada dia mais rápido..:-) "Pode ir preparando aquele feijão preto porque eu tô voltando"...
;-)

Ieda Dias disse...

Chic...
bjos

VEJA TAMBÉM

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...