segunda-feira, 7 de junho de 2010

Os filhos que eu não tive...

O livro ‘A vida do Bebê’ (Ediouro) é de autoria do Dr. Rinaldo De Lamare, médico pediatra brasileiro,( * 02/01/1910 + 28/04/2002), com mais de 5 milhões de exemplares vendidos e já na 41ª edição. O livro é uma verdadeira Bíblia para as mães brasileiras.


Quem não conhece esse bebê fôfo? Quem já não viu essa foto? Eu responderia que "todos aqueles que têm menos de 20 anos". Esse livro foi realmente uma bíblia pra várias gerações de mães. Era presente certo, quando alguma amiga ficava grávida.

Lembrei dele, conversando e relembrando causus das crianças da minha vida.

Minha cunhada ganhou o livro na primeira gravidez e, como eram pais de primeira viagem, super inexperientes, tavam sempre preocupados, acordando a noite toda pra ver se tava tudo bem, se o embondo tava respirando, se não tinha saído pra dar um rolé, vai lá saber. Pais pensam tudo, né? Numa dessas noites, meu irmão descobriu a pólvora. A filha dormia do lado da cama, no carrinho de bebê e, da cama, não dava pra ver a carinha dela, então ele pensou, pensou, olhou prum lado e pro outro, viu o livro e não pensou duas vezes : colocou no chão, com as rodas traseiras em cima dele. Vale lembrar que ele é grosso pra danar, tipo uns dez centímetros de altura. Foi na mosquita ! Deitado na cama deles, dava pra ver a carinha do filhote lindo e loiro ( os três fios) roncando.
Pensam que é mentira? Tem foto. Vou pedir uma cópia e coloco aqui depois.

Tem uma outra ótima ! Outra sobrinha, como toda criança, louca com aniversário, Natal, dia da criança e tudo que possa ser transformado em presente, virou pra mim um dia e disse: "Tia, tá chegando meu aniversário; vê se não esquece, hein? E não me venha com lembrancinha... eu quero pre-sen-te...." Então tá !
Será que eu dava presente muito mixuruca?

Outro : Esse um afilhado querido que, já acostumado com minhas idas e vindas pelo mundo, chegando o aniversário dele, deve ter ouvido algum disse-me-disse, que eu tava pra viajar, sei lá. Muito preocupado com a minha ausência ( pensei eu) veio conversar comigo, já prevendo que eu não estaria no dia do aniversário.
Eu disse que iria sim, meu bem, mas.... e antes que terminasse a frase ele disse seríssimo: "Tudo bem tia,você vai viajar, mas o presente você vai deixar, né?"

Outra : Passando férias de verão no norte da França-Bretanha, com o meu pequetito, que fui babá por longos anos, saímos um dia pra almoçar fora, junto com a bisavó dele (ver Causus da Polonesa).
Ela, toda orgulhosa do bisnetinho, escolheu um restaurante simpático e lá fomos nós três. Francês já é contra criança por natureza, em restaurante então, um cachorro é mil vezes mais bem-vindo do que criança. Cachorro fica embaixo da mesa, se fazendo de morto e nem pia. Já criança, tem vida própria. E vontades. Fala alto, ou chora, ou dá um grito, tudo isso coisas inconcebíveis pra se vivenciar na hora das refeições (segundo eles, claro!).
E, estamos nós, mó gracinha, começando o almoço quando ele diz num tom acima da média pro meu gosto, num lugar silencioso demais : "cocô, cocô, cocô...." Sabem, né? Eles, quando querem uma coisa, não dizem uma vez só. Como já devia estar na portinha, quanto mais repetia, mais rápida era minha saída procurando o banheiro. Nem olhei pra cara dos presentes. Nessa hora é melhor ignorar.
Sentou no trono, começou o serviço e ficou lá, fazendo hora, contando história. Quem já lidou com a raça, sabe muito bem do que tô falando. Olha pra uma coisa e inventa uma história, pega o papel-higiênico e inventa outra e vai enrrolando. E eu: "Acabou? Vambora? Tô com fome. Anda!" Consegui tirar o bichinho do trono, organizei o que tinha que organizar e voltamos pra mesa.

Recomeçamos a comer, tudo ia muito bem, quando, poucos minutos depois, ele fala, agora mais alto e em tom de desespero: "Tem mais um pedaço, tem mais um pedaço...." Sangue de Jesus tem poder! Essa foi dura porque, quem já tinha meio que perdido o apetite com o primeiro alarme, com esse, desistiu de vez. Catei ele num peido só e levei de volta pro banheiro e ele findou a operação.
Voltei, com aquela cara de cachorro que caiu do caminhão de mudança, sentei, tratei de dar fim naquele almoço e caímos fora dali.

Nem precisa dizer que evitei passar em frente ao restaurante, pelo resto do verão. Não por nós, mas pra poupar o proprietário do desconforto e receio que entrássemos.

Finalizando por hoje, tem um causu da mesma sobrinha do livro, que todo dia sentava na cadeirinha dela na cozinha pra comer. Era uma fôfa! Maior apetite, comia tudo direitinho, nunca encheu o saco pra comer. Mas, como toda criança, quando terminava a sessão, tinha comida pra todo lado, na mesinha, no babador, no colo, que dava pra encher outro pratinho.
Então, a gente tirava ela da cadeirinha e levava direto pra área e sacudia ela na lata de lixo. Íamos batendo a mão no babador, colo, onde tivesse restos, pra retirar o "excesso".
Sabem condicionamento? Pois é. Um dia, não sei por que cargas d'água, a mãe tirou ela da cadeirinha e não levou direto pra lixeira. Colocou no chão e se virou pra fazer alguma coisa. No que ela volta, não viu a pequena que já tava na área, batendo as mãozinhas no peito e na barriga em cima da lata de lixo.Sozinha!
Ô dó!

18 comentários:

  1. Oi Ieda,
    Passei 20 dias sem ler seu blog pq estava viajando... Meu Deus, vc se supera a cada dia!... Foi ótimo ler todos os posta antigos... Adorei ser apresentada a Chimamanda... Penso como vc, aproveite sua viagem a Israel e Egito, vc pode, vc é livre, e isto é maravilhoso...
    Beijos, Lêda

    ResponderExcluir
  2. Adorei os causus. Crianças são imbatíveis.

    ResponderExcluir
  3. Meu bem, já vi que não é sua praia, hein? hhheeeeee
    bjos

    ResponderExcluir
  4. Oi Leda...muito obrigada...que bom que vc voltou. Vou contar da viagem dia a dia.
    bjos

    ResponderExcluir
  5. Eu adoro, Regina. Gosto mesmo. Tenho o maior carinho por elas.
    bjos

    ResponderExcluir
  6. Fico feliz que você lembre sempre do meu embondo com aquele olho azul de doer falando que não tinha problema você viajar, mas o presente tinha que deixar...quem diria que viraria esse rapaz todo formal...

    ResponderExcluir
  7. Lendo e rindo e pensando que em pouco tempo estarei passando por essas ciladas que as crianças nos colocam... o tal do "cocô" o Arthur já aprendeu... hahahahaha.
    Bjossssss.

    ResponderExcluir
  8. Chérie, boa tarde.
    Di novo, as "vítimas" dos seus causus vêm à publico confirmar a veracidade dos seus escritos.
    E, para quem conviveu com crianças, tudo isto é a mais pura verdade, nem precisaria de confirmação.
    Direi mais, esses pedacinhos de gente estão nascendo cada vez mais espertos e nos dão verdadeiros shows.
    Devo dizer que ser avô foi a mais extraordinária experiência por que já passei. Amo minha netinha de paixão e não consigo explicar a razão disso.
    Acho que só o Criador sabe.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  9. Eita, criança é mesmo bichinho sincero. Não conhece outra maneira de ser. Não esqueço nossa expectativa de que, imediatamente quando você chegasse de viagem, que às vezes durava umas 16 horas, desfizesse a mala e nos desse os presentes tão esperados. Continua exatamente igual quase 25 anos depois da minha primeira lembrança. A diferença é que hoje disfarço melhor e te dou um dia de descanso. rs!

    ResponderExcluir
  10. Formal e fôfo. Mais delicado e mais atencioso e gentil, impossível. Orgulho de mamãe e de madrinha.
    bjois amiga,

    ResponderExcluir
  11. Com a única diferença Dani, é que aqui nós amamos os pequeninos. Pode se preparar prá várias situações.
    bjos

    ResponderExcluir
  12. Amor não se explica meu bem. Ama-se e pronto...rs
    bjos

    ResponderExcluir
  13. E eu não me esqueço Anoca de vocês ao invés de olharem pra mim, olhando pras malas...isso não mudou...rs...a diferença é que hoje olham com vergonha da nova descoberta...a sacola do Paraguai...heheheeeee
    bjins quérida

    ResponderExcluir
  14. Oi Iêda, os pimpolhos são tão fofinhos qdo nascem que dá vontade de mordê-los,tudinho, mais tarde a gente se arrepende de não tê-lo feito.....Rssss
    Brincadeirinha,tá.Tenho Gêmeas, imagine q tenho mtas estórias p contar. E crianças são puras, mesmo fazendo as bagunças. Aliás é bom sinal.
    Qto ao De Lamare, serviu muito, minha mãe me deu o dela q usou comigo e todos os meus irmãos ( a capa era outra, ed. pouquinho mais antiga...)
    Vi como foi útil pro seu irmão tb.heheh
    Adorei os causus.
    bjo

    ResponderExcluir
  15. Vc tem gêmeas...muito legal, Maga. Trabalho dobrado e espero que alegria tb.
    bjos

    ResponderExcluir
  16. Bem lembrado, Ana! Não havia fuso horário que nos fizesse abdicar de checar toda a mala! Eu gostava mais era dos cantinhos... onde a tia ia enfiando aqueles chicletes de metro e badulaques do tipo!!
    Em falar nisso... amanhã tem presente pra mim, né tia?! pre-sen-te !!

    ResponderExcluir
  17. Já tá embrulhado o pre-sen-te meu bem. Feito com todo amor e carinho.
    bjos, bjos

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no google, é só clicar em 'anônimo' para enviar seu comentário.